(31) 9 9708-6211

Segunda a sexta, de 14h30 às 21h30​

(31) 3571•9300

Segunda a sexta, de 14h30 às 21h30

Estudando para o Vestibular? Confira essas 6 dicas e arrase na prova!

Compartilhar artigo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Talvez o maior pesadelo dos alunos do Ensino Médio seja o Vestibular – nós sabemos que esse nome carrega um peso enorme! Ela diz respeito, não só à prova em si, mas tudo o que ela representa.

Pensando nisso, nós desenvolvemos um pequeno e simples guia que pode te ajudar a organizar os estudos, a otimizar o seu tempo e, o melhor de tudo, como se programar para ter o melhor desempenho no vestibular!

Mas, antes de começar – as dicas valem para todas as pessoas que irão fazer prova – seja vestibular, concurso, ENEM

1- Monte um cronograma realista

Ter um cronograma é fundamental para otimizar o seu tempo e a qualidade do seu estudo. Mas antes de baixar um app de organização ou comprar um planner, me responde uma coisa? Você conhece o seu ritmo de estudo? E as áreas que você tem mais facilidade? E as mais difíceis…? Qual o estilo de questões cobradas naquele vestibular?

Responder essas perguntas antes de montar o seu cronograma vai te auxiliar e muito!

Tenha em mente o seguinte: Cada pessoa tem um ritmo de aprendizado e nem todo método funciona pra todo mundo. Aqui, aconselhamos você a estabelecer primeiro o seu Objetivo Final/Principal. Depois, veja quanto tempo você tem até atingir o Objetivo – quanto mais tempo tiver mais detalhado poderá ser o seu cronograma.

Caso seu tempo não seja muito extenso, é preciso destacar as áreas realmente necessárias, ou seja, tenha os editais anteriores em mãos, sinalize as áreas de maior dificuldade e separe mais tempo para elas.

2- Faça resumos e mapas mentais

Imagem de Biljana Jovanovic por Pixabay

A prática de utilizar mapas mentais é uma das técnicas de estudo mais utilizada pelos alunos hoje em dia, principalmente por aqueles que estão estudando para o vestibular.

Esse recurso foi inventado pelo Tony Burzan, psicólogo e escritor inglês, para “ajudar a libertar o potencial do cérebro“. Recentemente ele lançou um software para ajudar estudantes e empresas no desenvolvimento desses mapas mentais – você pode começar a montar o seu aqui – MindMeister

De acordo com Tony: “Os mapas mentais são uma técnica poderosa que ajuda você a visualizar seus pensamentos e comunicá-los às outras pessoas. Além disso, os mapas mentais incentivam um fluxo livre de ideias, o que os torna o formato ideal para sessões de brainstorming e solução criativa de problemas“.

  • Memória e Lembrança Aprimoradas: Os mapas mentais incluem diversos gatilhos mentais que ajudam seu cérebro a compreender e armazenar conceitos mais facilmente. Você registrará menos notas e precisará de menos revisões, mas ainda reterá mais fatos do que seria possível através das notas lineares;
  • Fluxo Livre de Ideias: Por utilizar principalmente palavras-chave, imagens e frases curtas nos mapas mentais, você pode anotar pensamentos muito mais rápido do que o habitual. Este fluxo livre de ideias irá ajudá-lo a fazer brainstorms para tarefas de escrita criativa e resolver problemas;
  • Informação Estruturada: Os mapas mentais podem armazenar e estruturar grandes quantidades de informação. Eles exibem as hierarquias, demonstram as relações entre tópicos individuais e permitem que você visualize rapidamente o panorama geral. Isso também os torna ideais para resumir textos.
  • Comunicação Aperfeiçoada: Os mapas mentais baseados na nuvem ajudam a promover a colaboração entre estudantes e permite uma comunicação mais eficiente entre professores e alunos. Até mesmo os problemas mais complexos são rapidamente visualizados e explicados com um mapa.

3- Tire dúvidas

Uma das vantagens de montar e seguir o seu próprio cronograma de estudos é poder pontuar exatamente as suas áreas de dificuldade e, assim, poder dedicar um tempo exclusivo para elas. Dessa forma, alinhando com os resumos e mapas mentais, você terá uma visão bem clara do que precisa ser revisado para o vestibular.

Uma outra dica é que você revise os conteúdos assim que estudá-los – dessa forma você evita que os conteúdos e as dúvidas se acumulem.

Caso você estuda sozinho, procure alguém qualificado que possa te ajudar nessa etapa. Dúvidas e assuntos acumulados podem te complicar muito no desenvolvimento de matérias relacionadas.

4- Faça exercícios

A melhor maneira de entender e memorizar o conteúdo aprendido é botá-lo na prática. A teoria, geralmente, é bem mais fácil que os exercícios…rs

As universidades costumam disponibilizar as provas de vestibulares anteriores com os gabaritos, assim como o Inep que disponibiliza as edições anteriores do Enem. Ao se familiarizar com os tipos de questões cobradas, você será capaz de otimizar seu tempo em cada questão, e já vai poder riscar mais essa preocupação da sua lista.

Muitos alunos não conseguem resolver todas as questões da prova dentro do limite estabelecido pelas instituições, e, você pode aqui cronometrar o tempo que você gasta em cada parte da prova – por exemplo, as provas do ENEM que são divididas por áreas de conhecimento, se você tem mais facilidade com exatas e “agarra” em humanas, você já terá uma noção de como será preciso fazer/dividir no dia.

5- Leia o edital do(s) vestibular(es)

Existe um por que das universidades liberam editais anualmente – além de conter todas as informações sobre a parte burocrática dos vestibulares, existem algumas regrinhas ali que irão ditar o andamento da prova em si. Por exemplo, o lugar onde será realizada, o dia, o horário, os livros indicados…

Essa parte é ainda mais importante para aqueles que farão as Provas de Habilidades Específicas (geralmente, Arquitetura e Urbanismo, Música, Canto, Teatro, Design Gráfico, de Interiores e de Moda).

6- Separe um lugar reservado para os estudos

Por último mas não menos importante é separar um lugar específico para você poder colocar tudo isso em prática!

O ideal é que seja um lugar silencioso, calmo e com o mínimo de interferência possível, mas a gente sabe que nem todos possuem um lugarzinho assim em casa. Sendo assim, você pode priorizar alguns pontos – caso seja possível, estude em uma biblioteca pública ou na própria biblioteca da escola, por exemplo.

Deixe o seu material já separado e organizado – apostilas, cadernos, lápis e canetas.

Siga o cronograma que você montou – somente em casos extremos, como uma dúvida ou algum outro imprevisto, altere o seu calendário. Essa consistência é realmente um diferencial.

Faça intervalos! Respire! Alongue-se!

Várias pesquisas indicam que após 50 minutos de foco, a produtividade começa a cair. É comum que queiramos deixar tudo resolvido e acabar logo com a matéria, mas essas pausas ajudam na concentração e evitam que você se distraia durante o estudo.

Existem métodos e aplicativos que podem te ajudar nessa etapa – saiba mais sobre o Método Pomodoro aqui.

Conheça mais sobre a Faculdade Asa