(31) 98496-4749

Segunda a sexta, de 14h30 às 21h30​

(31) 3571•9300

Segunda a sexta, de 14h30 às 21h30

Artigo “Percepções do enfermeiro: Processo de morte e morrer.”

A Professora e Coordenadora do curso de Enfermagem Stefãne Amorim participou da produção do artigo “Percepções do enfermeiro: Processo de morte e morrer” para a revista Research, Society and Development.

Resumo
Introdução: A tônica da morte e o processo de morrer inerente a ela se manifestam presentes no imaginário comum da sociedade, ocasionando inquietação e desconsolo. Para o enfermeiro a morte é compreendida como a negação de seu propósito em resguardar vidas, contudo, intensifica-se à comoção no fim da vida de uma criança ou um adulto jovem mais que a de um idoso adoecido, devida a interrupção prematura de um ciclo. Objetivo: Identificar e analisar as percepções da equipe de enfermagem no processo de morte de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), frente ao processo de morrer. Método: Trata-se de um estudo qualitativo e os dados foram coletados por entrevista semi estruturada, no mês de julho de 2015. As informações extraídas das entrevistas foram analisadas pelo método de análise de conteúdo. Resultados: A equipe de Enfermagem demonstrou um enorme desconforto e inquietação com o tema morte, causando constante estresse laboral. Conclusão: Existem crenças e sentimentos negativos que margeiam o profissional de enfermagem frente à finitude dos pacientes, o que evidencia a necessidade de capacitação dos profissionais sobre esse assunto.

Palavras-chave: Atitude frente à morte; Enfermagem; Morte.